sábado, 7 de novembro de 2015

Fatos não narrados

por CA Ribeiro Neto - Twitter 



Levantou dormindo. Molhou-se. Acordou. Vestiu-se. Dirigiu. Engarrafou. Começou a trabalhar. Atendeu, escutou, anotou. Foi xingado, ultrajado, humilhado. Queria fugir, correr. Cogitou morrer. Arrependeu-se. Resolveu rezar. Fugiu, correu. Adentrou. Ajoelhou. Curvou. Falou, descarregou. Evitou chorar. Quis impedir. Vacilou. Enfureceu-se. Saiu correndo. Esbarrou. Tentou se calar, desistiu, gritou. GRITOU. Apareceram, aproximaram-se, frearam-no, cercaram-no. Subjugaram-no, estorquiram-no. Indignou-se. Explodiu. Soltou-se. Socou. Surraram-no. Continuava a socar, distribuia. Apanhava. Apanhava. Foi arrastado. Levantado. Jogado. Tentou nadar. Engolia. Pensou. Relembrou. Cogitou. Rezou. Clamou. Foi-se.

4 comentários:

Hermes Veras disse...

Gostei muito desse texto. Tem boa metragem. Sem lenga lenga. Direto e respeitoso com o leitor.

CA Ribeiro Neto disse...

Valeu, meu fi!!!

Alex Sampa disse...

Belo texto. Uma poetica dura, urbana e rigorosa. É como se "Construção", de Chico Buarque, tivesse um irmão.

CA Ribeiro Neto disse...

Poxa! Valeu, Alex!!!!!