terça-feira, 15 de março de 2016

Angústia

por: Sandra Alencar
Facebook
Coluna: Frêmito


Quando a vida pesa em meus ombros,
E minhas pernas envergam cansadas,
Fico com vergonha de mim,
E cada célula do meu corpo,
Enoja-se do meu fracasso evidente.

E penso que escreverão na minha lápide,
que nasci perfeita e forte,
Acho que prefiro ter amor em vida,
Que ser perfeita após a morte.

Mesmo porque a vida e a morte se misturam,
E sou levada como o mar engole uma criança,
E minha respiração para, estou no fundo do mar,
presa na angústia fria dos dias.

2 comentários:

CA Ribeiro Neto disse...

Sua poesia fala muito. E coisas difíceis de se ouvir...

Sandra Alencar disse...

A angústia faz parte...