terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Constatação

por: Sandra Alencar
Facebook
Coluna: Frêmito



Não sou eu a ter a coisa mais relevante a dizer.
Não, não sou eu.
Não sou eu a ser o exemplo politicamente correto de tudo quanto é coisa no mundo.
Não, não sou eu.
E quem sou eu então?
Sou louca e desvairada, buscando o mais perfeito de tudo,
Profundamente frustrada e cheia de vergonha alheia.

Eu sou essa pessoa, diferente do que fui e do que serei,
Sou esse ser que vive morrendo,
E morre vivendo,
Continuamente.

Sou esse ser cheio de vazio,
Quente de paixão,
E deprimido de tanta coisa reprimida,
Sou essa loucura que se busca,
Perdida no desespero de se encontrar.

Sou isso que não foi terminado,
E não se termina nunca.
Só quando parar de soprar a vida,
Só quando a vida cair na morte,
Sou essa pessoa que escreve...
Querendo tocar qualquer alma
Feliz em sofrer amando.

Um comentário:

CA Ribeiro Neto disse...

Adoro a tua intensidade!