segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Eu faço o seu tipo?



 
Em algum momento tendemos a visualizar na mente uma lista de preferências e qualidades necessárias quanto ao perfil do próximo interesse romântico, alimentando a antiga e perigosa crença da "outra metade".

A ideia se equivale quase sempre a um espelho, onde trabalhamos na idealização de uma pessoa conforme nossa própria imagem e semelhança, preferências e desgostos. Aparentemente uma mera questão de química ou afinidade.


"Talvez, algumas vezes acreditamos que estamos numa loja de discos procurando opções de acordo com a capa, lidando com produtos organizadamente separados por sessão."


Deveríamos esquecer o hábito de querer manter todas as coisas no absoluto controle, no já mentalmente esperado, e se permitir para possibilidades um pouco diferentes daquela mesma linha segura que costumamos seguir.


"Buscar a outra metade significa delegar para outra pessoa a difícil missão de te fazer feliz e de suprir faltas que sua personalidade apresenta e que só podem ser supridas por você." Carlos Hilsdorf.

9 comentários:

CA Ribeiro Neto disse...

Eu tenho uma teoria que é que nada importa, a não ser duas coisas: encanto do olho a olho e roçar de peles. Só encanto do olho a olho é apenas veneração, idolatria, admiração. Só roçar de pele é unicamente desejo, fogo da paixão. E pode haver tentativas de amor sem esses dois. Mas para ser o pra valer, pra ser a pro resto da vida, tem que ter os dois juntos.

Sandra Alencar disse...

Muito interessante. Acho que o tipo ideal é aquele que te toca a alma e você sabe que não poderá mais seguir sem ele. A vida a dois é uma dança, precisa ter sincronia, é preciso se reinventar, investir, fazer diferente e amar sempre! Sem amor, cumplicidade, não vale a pena.

Talles Azigon disse...

Gente o trabalho de vocês está muito lindo <3 tô acompanhando

CA Ribeiro Neto disse...

Obrigado! Bom saber que estamos agradando!

Luis Ricardo Sales disse...

Você disse tudo Sandra Alencar, "é preciso se reinventar...", grande abraço.

Luis Ricardo Sales disse...

Um grande obrigado Talles ^^

Luis Ricardo Sales disse...

Tem Ki T sim!!!

Pedro Piluca disse...

De fato, o melhor é construir a outra metade. Juntos.

Marcos Paulo Souza Caetano disse...

Por que nos relacionamos se não é para suprir nossas faltas? Há belas e românticas respostas a essa questão. A verdade é bela? Deixa-me pensar...

PS: A resposta da tirinha é fenomenal.